Audiências Públicas do Plano Diretor de Niterói – Etapa 3 (Diretrizes)

A SECRETÁRIA MUNICIPAL DE URBANISMO E MOBILIDADE, no uso de suas atribuições, convoca os interessados para as AUDIÊNCIAS PÚBLICAS DA “ETAPA 3” (Diretrizes), a respeito do PROCESSO DE REVISÃO DO PLANO DIRETOR, instrumento básico da Política de Desenvolvimento Urbano de Niterói. As AUDIÊNCIAS PÚBLICAS serão realizadas nos dias 17, 23, 25 e 29 de Agosto de 2016, às 18h00 e no dia 27 de Agosto de 10h às 13h, nos endereços relacionados abaixo:

Região Oceânica, dia 17/08 – Colégio Itapuca, Rua Professor Ernâni Faria Alves, 124 – Piratininga.

Pendotiba, dia 23/08 – CIEP Emiliano Di Cavalcanti, Caetano Monteiro, s/nº – Badu.

Região Norte dia 25/08 – Fonseca Atlético Clube, Alameda São

Boaventura, 1042 – Fonseca.

Região Leste , dia 27/08 – CIEP 307 Djanira, Avenida Ewerton Xavier, nº 417 – Várzea das Moças.

Região Centro / Praia da Baía, dia 29/08 – Auditório da CDL, Rua Andrade Neves, 31 – Centro.

O documento contendo os elementos que serão utilizados para a construção dos cenários encontra-se disponível na página do processo de revisão do Plano Diretor na internet:   planodiretor.niteroi.rj.gov.br

Pré-Conferência de Mobilidade

A Pré-Conferência de Mobilidade, terceira dentre os “quatro encontros preparatórios” para a 6ª Conferência da Cidade de Niterói, ocorrerá no dia 22/06, das 18 às 22 horas, abordando os temas “transporte público coletivo”, “acessibilidade”, “intermodalidade de transporte”, “ciclovias e paraciclos”, “infraestruturas de transporte” e “Política Nacional de Mobilidade Urbana”, dentre outros. Esta Pré-Conferência será realizada no auditório da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF), que está localizado na Rua Tiradentes 17, anexo, Ingá (Prédio da antiga Faculdade de Engenharia da UFF, no Ingá).

Espera-se ampla participação de niteroienses dos diversos segmentos da sociedade para que haja a mesma riqueza de discussão dos encontros anteriores, na busca constante de se estimular o debate que ocorrerá na 6ª “Conferência da Cidades” de Niterói.

Neste terceiro encontro o Subsecretário da Secretaria de Urbanismo e Mobilidade, Renato Barandier, apresentará a prestação de contas das resoluções aprovadas pela 5ª “Conferência das Cidades” de Niterói (realizada no ano de 2013).

O evento contará ainda com a palestra e Eduardo Andrade, Professor da UFRJ, com a apresentação de Carmen Fogaça, Secretária de Acessibilidade de Niterói, e com a fala de Fernando Henrique Guimarães Barcellos, cicloativista. A mesa será coordenada por André Hacl Castro, assessor jurídico da Secretaria de Urbanismo e Mobilidade de Niterói e por José Chacon, engenheiro e ambientalista.

A última pré-conferência desta etapa preliminar ocorrerá no dia 27 de junho, com o tema “Saneamento e Meio Ambiente”, das 17h30 às 22h. Nesta última pré-conferência será feita a indicação dos delegados, no período das 20h30 às 22h. Nesta etapa formal serão indicados, por cada segmento, os delegados para a 6ª Conferência Municipal de Niterói. Os delegados, institucionalizados ou não (uma novidade da 6ª Conferência), terão garantidos os direitos a voz e voto. Para se candidatar, é necessário ter participado de, no mínimo, duas pré-conferências.

Niterói ganhará sinais inteligentes e trânsito monitorado em tempo real

Novo sistema deve começar a funcionar dentro de quatro meses, nas dez áreas mais congestionadas da cidade.

sinais

Os dez locais que concentram os engarrafamentos em Niterói passarão a ter parte dos semáforos sincronizados para melhorar o tráfego de veículos na cidade. Pioneiro na América do Sul, o novo sistema permitirá acionar em tempo real o sinal verde por mais tempo em uma área engarrafada, ou o vermelho para segurar o fluxo quando necessário, em caso de acidente, por exemplo, contribuindo para reduzir os congestionamentos.

Nos próximos quatro meses, serão instalados 190 controladores inteligentes de tráfego em Icaraí, Fonseca, Centro, Santa Rosa, São Francisco/Charitas, Largo da Batalha, Orla (Icaraí, Ingá e Centro), Barreto, Engenho do Mato e Região Oceânica. Cada controlador pode integrar até quatro semáforos. A diferença é que os equipamentos utilizados atualmente na maioria das cidades seguem um modelo pré-programado de fluxo de veículos.

A implantação do novo sistema – chamado de Centro de Controle de Operações (CCO da Mobilidade) – foi formalizada nesta quarta-feira (22), na sede da Prefeitura de Niterói. Assinaram o convênio o prefeito e representantes da ENGIE, fornecedora dos equipamentos eÂÂ responsável pela implantação do mesmo sistema em cidades como Paris e Londres.

O investimento no CCO será de R$ 19,1 milhões, por meio de convênio com o Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), dentro do Programa de Desenvolvimento Urbano e Inclusão Social de Niterói.

Para o prefeito, o novo sistema muda o paradigma da gestão do sistema viário da cidade que, segundo ele, se tornará a melhor do Estado do Rio de Janeiro.

“Com a implantação de sinais inteligentes, o monitoramento por câmeras nos cruzamentos mais importantes e os painéis informativos, será possível melhorar em 30% a fluidez no trânsito, contribuindo para reduzir a poluição e o tempo de deslocamento, além de melhorar a qualidade de vida da população”, disse.
“Estamos orgulhosos de sermos a empresa que está implantando esta tecnologia pela primeira vez em uma cidade da América do Sul, uma tecnologia que permitirá a Niterói evoluir de uma gestão passiva do trânsito para uma gestão ativa e muito mais eficiente”, afirmou o Presidente da ENGIE no Brasil, Maurício Bähr.

INTEGRAÇÃO – O CCO funcionará junto ao Centro Integrado de Segurança Pública (CISP), em Piratininga.Além da sincronização de semáforos, o novo sistema permitirá o monitoramento em tempo real do trânsito nas dez áreas identificadas pela NitTrans, o órgão municipal de trânsito de Niterói.

A empresa responsável pelo sistema instalará 55 quilômetros de cabos de fibra óptica e um total de 212 câmeras, das quais 190 de monitoramento do trânsito (controladores inteligentes de tráfego) e 22 de vigilância (com alcance de 360 graus). Ao vigiar o trânsito, essas câmeras vão estabelecer o tempo de cada sinal a partir da contagem do número de veículos que passam em uma determinada via.

Haverá, ainda, 14 painéis eletrônicos com informações úteis para os motoristas, como as condições de trânsito e o tempo de determinados trajetos; e um sistema fechado de TV, que transmitirá para o CCO imagens digitais em tempo real sobre o fluxo de veículos.
A expectativa é que o novo sistema reduzirá a necessidade de manutenção nos semáforos, além do tempo das viagens, do consumo de combustível e da emissão de gases poluentes – com impacto positivo no meio ambiente.

Pré Conferência de Uso e Ocupação do Solo

A Pré-Conferência de Uso e Ocupação do Solo, segunda dentre os “quatro encontros preparatórios” para a 6ª Conferência da Cidade de Niterói, ocorreu no dia 14/06, das 18 às 22 horas, abordando os temas “plano diretor”, “parcelamento do solo”, “uso do solo”, “macrozoneamento”, “zonas especiais de interesse social”, “eixos de estruturação da transformação urbana” e “outorga onerosa do direito de construir”, dentre outros. Esta Pré-Conferência foi realizada no auditório da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF), que está localizado na Rua Tiradentes 17, anexo, Ingá (Prédio da antiga Faculdade de Engenharia da UFF, no Ingá).

A participação de aproximadamente 160 (cento e sessenta) pessoas dos diversos segmentos da sociedade proporcionou ao encontro uma riqueza de discussão, com isso cumprindo o objetivo desta etapa preparatória que é o de estimular o debate que ocorrerá na 6ª “Conferência da Cidades” de Niterói.

Neste segundo encontro a Secretária de Urbanismo e Mobilidade, Verena Andreatta apresentou a prestação de contas das resoluções aprovadas pela 5ª “Conferência das Cidades” de Niterói (realizada no ano de 2013). Das resoluções aprovadas, 80% (oitenta por cento) foram cumpridas, conforme explanação da Secretária Verena.

O evento contou ainda com a palestra do Diretor do Departamento de Uso do Solo da Prefeitura de São Paulo, Daniel Todtmann Montandon e com a fala do senhor Vitor Guimarães, membro do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (Mtst). A mesa foi coordenada por Fabrício Silveira, coordenador da Revisão do Plano Diretor de Niterói e por Wilson Madeira Filho, Diretor da Faculdade de Direito da UFF.

Mais duas pré-conferências acontecerão nesta etapa preliminar: nos dias 22 de junho, das 18h às 22h, com o tema “Mobilidade”, e no dia 27 de junho, com o tema “Saneamento e Meio Ambiente”, das 17h30 às 22h. Todos os encontros estão sendo realizados no auditório da Faculdade de Direito da UFF (Rua Tiradentes, 17).

A indicação dos delegados será realizada na última Pré-Conferência (Saneamento e Meio Ambiente), no período das 20h30 às 22h. Nesta etapa formal serão indicados, por cada segmento, os delegados para a 6ª Conferência Municipal de Niterói. Os delegados, institucionalizados ou não (uma novidade da 6ª Conferência), terão garantidos os direitos a voz e voto. Para se candidatar, é necessário ter participado de, no mínimo, duas pré-conferências.

Mais informações sobre a 6ª “Conferência das Cidades” de Niterói: https://www.facebook.com/6ConferenciaCidadesNiteroi

Acesse aqui: A nova lei de zoneamento do Município de São Paulo

post

Pré-conferências das cidades

O primeiro evento preparatório para a 6ª Conferência da Cidade de Niterói discutirá, nesta quinta-feira (9/06), propostas para a habitação, abordando temas como moradia popular, equipamentos comunitários, urbanização e regularização fundiária de assentamentos precários. A pré-conferência será realizada das 18h às 22h, no auditório da Faculdade de Direito da Universidade Federal Fluminense (UFF), na Rua Tiradentes 17, anexo, Ingá. A participação popular no evento é de grande importância, não só pelas contribuições sobre a cidade que os moradores podem fazer, mas também porque, pela primeira vez, será possível a indicação de delegados não institucionalizados para participar da Conferência Municipal.

O debate ficará a cargo do Secretário de Habitação de Niterói, Fabio Coutinho; da professora do Instituto de Geociências da UFF Flavia Elaine da Silva Martins e de Paulo Oliveira, membro da diretoria da federação da Federação das Associações de Moradores do Município de Niterói (Famnit), com a coordenação da professora Regina Bienenstein, membro da pós-graduação da UFF e coordenadora do Núcleo de Estudos e Projetos Habitacionais e Urbanos (Nephu-UFF) e do Subsecretário Gustavo Rodrigues, da Secretaria Executiva da Prefeitura de Niterói (Sexec).

Das propostas obtidas como resultado da última conferência (5ª Conferência Municipal), aproximadamente 80% (oitenta por cento) foram efetivadas pela Prefeitura de Niterói, de acordo com a Subsecretária de Habitação, Regina Ribeiro.

Mais três pré-conferências acontecem nos dias 14 de junho, das 18h às 22h, sobre Uso e Ocupação do Solo; 22 de junho, das 18h às 22h, sobre Mobilidade, e no dia 27 de junho, sobre Saneamento e Meio Ambiente, das 17h30 às 22h. Todos os encontros serão realizados no auditório da Faculdade de Direito da UFF. No último dia de pré-conferência, das 20h30 às 22h, serão eleitos, em cada segmento, delegados independentes com direito de voz e voto para a 6ª Conferência Municipal de Niterói. Para se candidatar, é necessário ter participado de, no mínimo, duas pré-conferências.

Mais informações sobre a 6ª “Conferência das Cidades” de Niterói: https://www.facebook.com/6ConferenciaCidadesNiteroi

post

Visita ao CCO de Dijon e VLT de Lyon

Prefeito conhece instalações de centro de controle operacional de trânsito similar ao que está sendo implantado em Niterói e assina termo de cooperação com empresa pública francesa


No segundo e terceiro dias da missão oficial da prefeitura de Niterói à França, o prefeito conheceu de perto o Centro de Operações de Trânsito e Mobilidade de Dijon, modelo similar ao que está sendo implantado na cidade fluminense.

Ao visitar as instalações, o chefe do Executivo municipal pôde conhecer detalhes do funcionamento do projeto, responsável pelo gerenciamento do sistema de transporte de toda a cidade de 250 mil habitantes em tempo real, permitindo, assim, que controladores façam alterações em toda a rede semafórica do município, dando mais fluidez ao trânsito e à mobilidade.

Responsável pelo Centro de Controle de Dijon, a empresa Engie é a mesma que venceu a licitação internacional para implantar, a partir de maio, o sistema em Niterói, com recursos do financiamento obtido junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

No Brasil, no entanto, o projeto apresentará novidades e será mais moderno. Em Niterói, serão 150 câmeras, com software de última geração capaz de promover automaticamente, sem interferência humana, as mudanças necessárias nos sinais de trânsito. O sistema será integrado ao Centro Integrado de Segurança Pública (CISP), vai gerenciar dez Centros de Tráfego por Área (CTAs) e terá a meta de reduzir em até 30% o tempo de deslocamento de trânsito graças ao ganho de eficiência dos sinais e da operação em tempo real.

De acordo com o prefeito, o novo CCO Mobilidade de Niterói, junto com o CISP, o e-Cidades e o programa Niterói Digital, integra o planejamento para fazer de Niterói um modelo de cidade sustentável e inteligente.

“Através da cooperação internacional e com agências de financiamento, tiramos importantes projetos do papel, como o CISP e a Transoceânica. O CCO Mobilidade de Niterói é mais uma iniciativa no sentido de melhorar a mobilidade e a circulação com sustentabilidade,  planejamento, e sistemas tecnológicos mais avançados. Tenho certeza de que isso contribuirá para a melhoria da mobilidade e da qualidade de vida dos niteroienses”, diz.

Em Lyon, o prefeito informou-se em detalhes sobre o VLT local, um dos primeiros da Europa. Os estudos para a sua implantação começaram em 1995 e, dois anos depois, o projeto foi aprovado. Em 2000, iniciou sua operação, com dez quilômetros de extensão, e foi sendo ampliado até atingir os atuais 60 quilômetros, integrando bairros da cidade de um milhão de habitantes e quase três milhões na região metropolitana. Atualmente, o VLT de Lyon transporta cerca de 300 mil passageiros por dia e responde por quase 20% do total de deslocamento de passageiros. O restante é dividido entre metrô, ônibus, automóveis e bicicletas.

“Fomos conhecer esta experiência, uma das mais bem-sucedidas implementadas também em países de diferentes regiões do mundo como Marrocos, Turquia e que começa a ser avaliada pelas cidades brasileiras”, explicou o prefeito.

Durante o encontro com o representante da prefeitura de Lyon, Robert Thevenot, que também representa o consórcio que gerencia o sistema de transportes da cidade, o prefeito firmou um acordo de cooperação entre as duas cidades. Thevenot explicou como se dará esse processo.

“Nosso conhecimento adquirido com a implementação do sistema de VLT de Lyon pode ser exportado para outras cidades e é isso que pretendemos fazer com esse acordo. A implantação do VLT em Lyon modificou profundamente a cidade em dois aspectos: a organização territorial dos bairros; e os hábitos dos cidadãos, para quem o novo sistema de transporte representou uma nova oferta de transporte com mais qualidade.”, disse.

Após as visitas, o prefeito ressaltou a importância dos investimentos em transporte público:

“Cidade moderna e sustentável não é aquela onde a classe menos favorecida anda de automóvel o tempo todo, mas aquela onde as classes média e alta também usam o transporte público porque ele tem qualidade, conforto e eficiência. Nos últimos dois anos, tiramos uma obra esperada há mais de 40 anos do papel: o túnel com o BHLS. No próximo período, nossa meta é viabilizar o primeiro VLT integrando bairros em cidades brasileiras. Temos uma intensa jornada de trabalho pela frente, mas, da mesma forma que o túnel saiu do papel, acredito que é possível viabilizar esse projeto, que tem tudo a ver com a nossa cidade e a população de Niterói.”

A secretária municipal de Urbanismo e Mobilidade Urbana, Verena Andreatta, citou a importância de implementação de novos tipos de transporte e ressaltou a necessidade de integração entre todos eles.

“A apresentação feita pelas autoridades de Lyon e Dijon sobre o VLT e o CCO mostrou a eficiência desses sistemas e desse  meio de transporte na estruturação do transporte coletivo de média capacidade e revelou as várias alternativas de integração e reorganização com outros meios (ônibus, barcas, metrô, bicicletas). Também foi relevante o aproveitamento de todas as linhas de ônibus em outras direções da cidade, expandindo atendimento a populações antes desatendidas.”, disse.

Verena destacou ainda a mudança no visual da cidade após a chegada do VLT:

“Por todas as ruas onde o VLT passa, ocorre uma reurbanização, melhorando fachadas, serviços, comércio e criando novas atividades

post

Túnel da TransOceânica chega a 1.700 metros perfurados

Em visita às obras do túnel da TransOceânica, pelo lado do Cafubá, na manhã desta terça-feira, o prefeito, acompanhado pelo vice Axel Grael, pelo deputado estadual Comte Bittencourt e por secretários, vereadores, lideranças comunitárias e empresariais, detonou 1.000 kg de explosivos.  O gesto foi uma forma de comemorar a marca atingida de 1700 metros perfurados (na soma das duas galerias).

Com mil operários trabalhando direta e indiretamente na obra, a perspectiva é chegar a 2000 metros perfurados em maio e concluir, na segunda quinzena de junho, a perfuração dos túneis Luiz Antônio Pimentel e João Sampaio.

“Isso revela e reflete a competência, o empenho e a dedicação dos engenheiros e dos técnicos que estão realizando a obra e também dos profissionais da Prefeitura de Niterói. Fico muito contente e orgulhoso de que, mesmo nesse contexto de crise geral, estar realizando a maior obra de infraestrutura e de mobilidade urbana de Niterói. Com planejamento consistente sendo cumprido com seriedade. Geralmente, as obras públicas no Brasil têm uma certa lentidão, mas aqui estamos cumprindo plenamente o cronograma”, afirmou o prefeito.

Além da conclusão da perfuração em junho, será entregue no dia 15 de maio a parte direita do trecho 1 (sentido Jurujuba), em frente à estação do catamarã de Charitas, com nova calçada, novo pavimento e a primeira estação do BHLS concluída. No mesmo dia, será entregue mais uma parte do trecho 5 da TransOceânica, em frente ao Condomínio Ubá.

Também se iniciam amanhã as obras do trecho 7, que vai da Padaria Versalhes até o Shopping Cancun. As obras do trecho 4, que vai da rótula até o DPO do Cafubá, já estão em fase avançada e serão concluídas na primeira semana de junho, junto com a conclusão do projeto Bairro Melhor. E, na primeira quinzena de junho, termina todo o bairro do Cafubá.

As obras da Fazendinha serão iniciadas na segunda quinzena de maio, com conclusão prevista para o fim do ano. Com os recursos já assegurados, a licitação está marcada para 20 de abril.

“Entregaremos os túneis para circulação até o final deste ano. Levando em consideração que o Túnel Rebouças foi feito em 14 anos, estamos construindo um recorde de dois túneis ficarem prontos em menos de dois anos, os quais vão ligar duas regiões importantes da cidade”, celebrou Rodrigo Neves.

A Região Oceânica foi identificada como a área da Região Metropolitana do Rio que tem o maior deslocamento por transporte individual: 42%. Com a TransOceânica e o BHLS, o objetivo é reduzir à metade essa proporção, retirando de circulação de 25 a 30 mil veículos. Com isso se conseguirá melhorar a mobilidade da cidade toda.

Ao lado do prefeito, Axel Grael assegurava que a TransOceânica está construindo um marco no tema da sustentabilidade:

“O importante é que, junto com a TransOceânica, virão outros investimentos de sustentabilidade para a região através do Pró-Sustentável. Nós já criamos um parque que pega todo esse entorno, vamos implantar outro, como o Parque Orla de Piratininga. E chegaremos a 57 km de ciclovias. Esse conjunto de intervenções vai fazer da Região Oceânica um case de sustentabilidade urbana. Também vamos aproveitar as rochas que estão saindo da obra para o calçadão de Piratininga. E o ganho para a cidade é muito grande”.

Por sua vez, a secretária de Urbanismo e Mobilidade, Verena Andreatta, apontava toda a inteligência por trás do projeto da grande via:

“O aspecto mais relevante desta obra é do ponto de vista da requalificação urbanística de todo esse eixo, que vai ser tratado com novas calçadas, passeios, arborização, sinalização. A qualidade do projeto é a integração, vai ter o BHLS funcionando, com cobertura, para dar mais conforto ao usuário, num percurso de tempo muito menor, reduzido pela metade. As calçadas são pensadas para portadores de necessidades especiais. O projeto pensa também nos bairros ao redor da TransOceânica”.

Quem não escondia sua admiração no canteiro de obras do túnel Charitas-Cafubá era o deputado estadual Comte Bittencourt:

“É uma honra estar aqui com o prefeito e secretários. É a primeira vez que venho a esta obra. A obra é muito esperada, com grande investimento na mobilidade urbana. A expectativa é de toda a população da cidade, sem contar que a Região Oceânica é o lugar que mais cresce em relação à densidade demográfica. É uma obra de coragem, parabéns ao prefeito”.

post

Niterói firma acordo com ONGs internacionais para elaborar plano de mobilidade

Com foco na sustentabilidade, iniciativa vai orientar novas intervenções urbanas e também as que estão em andamento no município

16/03/2016 – A Prefeitura de Niterói assinou nesta terça-feira (15/3) três acordos de cooperação técnica para a elaboração do Plano de Mobilidade Urbana Sustentável (PMUS), cuja marca principal será priorizar o transporte público coletivo não motorizado. A iniciativa vai orientar, nos próximos anos, tanto as novas intervenções urbanas como as que estão em andamento, a exemplo da TransOceânica.

O PMUS incluirá diagnóstico e discussões públicas, entre outra etapas. O plano, com custo zero para o município, terá apoio das duas mais importantes ONGs de mobilidade urbana do mundo: a World Resources Institute (WRI, na sigla em inglês) e o Instituto de Políticas de Transporte e Desenvolvimento (ITDP, na sigla em inglês). No Brasil, somente Rio de Janeiro, São Paulo e Belo Horizonte tiveram planos de mobilidade com apoio do banco e das duas ONGs.ÂÂ
A assinatura do termo de cooperação foi às 17h, no Auditório da Prefeitura, e teve a mesa composta do vice-prefeito Axel Grael; da secretária de Urbanismo e Mobilidade, Verena Andreatta; do subsecretário de Urbanismo e Mobilidade, Renato Barandier; do diretor-presidente do WRI Brasil Cidades Sustentáveis, Luís Antonio Lindau; da diretora de Programas do ITDP, Ana Nassar; e do professor Rômulo Orrico, do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe/UFRJ) – além da presença de vários secretários e subsecretários na plateia.

“Mobilidade é o 4º item importante para o cidadão. Então agradeço as ONGs parceiras e aguardo a participação da população para concluirmos o plano, falou a secretária de Urbanismo”, Verena Andreatta.
O plano vai mapear os deslocamentos da cidade, considerando variáveis como área geográfica, número de veículos individuais e coletivos, malha cicloviária e horários de pico. Após esse diagnóstico, os dados servirão para apontar os principais pontos de congestionamento, quantidade de veículos trafegando na cidade, o espaço que eles ocupam nas vias públicas e a dimensão da área afetada pelo trânsito, entre outros indicadores.
Previsto na Política Nacional de Mobilidade Urbana, que institui o deslocamento ordenado de pessoas e veículos nas grandes cidades, o plano inclui a logística de transporte de cargas e descargas de mercadorias; a coordenação do tráfego de motocicletas e bicicletas; medidas de segurança no trânsito; criação de áreas de estacionamento; e desenvolvimento da mobilidade em locais carentes.
“Faremos um plano mais amplo, com foco no transporte público coletivo, na implantação de faixas exclusivas para ônibus e no incentivo à construção do VLT (Veículo Leve sobre Trilhos), cujo estudo de viabilidade está em fase de elaboração”, esclarece o subsecretário de Urbanismo e Mobilidade, Renato Barandier. A elaboração do PMUS será financiada pelo Banco de Desenvolvimento da América Latina (CAF), com um investimento de US$ 100 mil. A conclusão do plano está prevista para o segundo semestre. Atualmente, três projetos de transporte estão em curso em Niterói: a construção da Transoceânica, o Programa Niterói de Bicicleta e o estudo para implantação do VLT.

O vice-prefeito Axel Grael, que representou o prefeito, finalizou o evento: “É um momento muito importante nesta caminhada que estamos fazendo para recuperarmos nosso atraso em termos de mobilidade em Niterói. É um plano que vai estabelecer as diretrizes para os próximos 10, 20 anos na cidade.”

How to Compose an Instructional Research Proposal

It is likely that, in your lifetime you’re planning to need to create a short description of oneself at some point. It might be to get a college software, or even a work- related speech, or even you merely have to produce a blurb about oneself for the newsletter of your guide club. Whatever your cause may be, follow the methods right here to create a well-made (and brief) biography. Advertising Methods Part 1 of 2: Prewriting On Your Outline Recognize your audience. Read More

post

TransOceânica: começa a perfuração do túnel Charitas-Cafubá

A Prefeitura de Niterói iniciou nesta terça-feira (7.7) a perfuração do Túnel Charitas-Cafubá, um dos trechos mais importantes da construção da TransOceânica, via expressa que vai ligar a Região Oceânica à Zona Sul da cidade. Às 11h53 foi acionado o botão para a primeira detonação, na qual foram utilizados 150 quilos de explosivos.

A partir desta quarta-feira serão realizadas três detonações por dia, durante um ano, prazo para que a obra esteja concluída. O túnel, que terá o nome do jornalista, poeta, professor e memorialista Luís Antônio Pimentel, falecido em maio, aos 103 anos, terá 1,3 quilômetro de extensão e duas galerias, com quatro pistas cada uma – duas para carros, uma para os ônibus do sistema BHLS e uma ciclovia.

No canteiro de obras, no Cafubá, todo um aparato de segurança foi montado para a primeira explosão. Além de funcionários da obra e de autoridades municipais, os moradores também tiveram acesso ao local, como a assistente administrativa Beatriz Paiva Maia, 40 anos, que mora em Itaipu. Ela fez questão de levar o filho Lucas, de 7 anos, para ver de perto o início da perfuração do túnel.

“Fiz questão de vir porque agora acreditamos que o túnel vai sair, para que a gente possa chegar mais rápido à Icaraí, ao Centro. A gente acaba indo menos a esses bairros por conta do tempo que levamos. Agora com o túnel vai ficar muito mais fácil, vai facilitar a vida de todos que moram na Região Oceânica. Vamos poder aproveitar mais o tempo em casa, isso é qualidade de vida. Trouxe o Lucas para que ele possa, daqui a algum tempo, ao passar pelo túnel, dizer que participou da primeira explosão”, afirmou.

De acordo com o prefeito, a integração entre diferentes esferas de governo foi fundamental para garantir o início da obra.

“Dezenas de órgãos municipais, estaduais e federais aprovaram o projeto. Nós vencemos 50 etapas para chegarmos ao dia de hoje. Esse projeto é mais do que uma obra viária, é um projeto de mobilidade urbana. Além do túnel sem pedágio, vamos ter um corredor de BHLS, que vai ligar o Engenho do Mato a Charitas, chegando à estação do catamarã, em menos de 25 minutos. Hoje as pessoas levam mais de uma hora para fazer esse trajeto. Esse é um projeto que os niteroienses aguardam há muitos anos e também é muito importante porque vai tirar o fluxo pesado de veículos de eixos saturados da cidade, como o Largo da Batalha e as avenidas Roberto Silveira e Marquês de Paraná. Ele cria uma alternativa de deslocamento para as pessoas”, explicou o prefeito.

O chefe do Executivo municipal destacou, ainda, que uma cidade desenvolvida é aquela onde a classe média e os mais ricos também andam de transporte público porque ele tem qualidade “Na verdade, essa é a vertente deste projeto. Mais do que uma obra viária, ele tem o objetivo de melhorar a performance do transporte público em Niterói, oferecendo mais conforto, pontualidade e qualidade. Dessa forma, não tenho dúvida que as pessoas vão optar por não andar de veículos individuais para seus deslocamentos. Esse é o caminho para a sustentabilidade e para a qualidade de vida”, ressaltou.

O prefeito disse também que a prefeitura está negociando com o Estado a implantação de um sistema de barca na estação de Charitas similar ao da estação Araribóia, com catamarãs sociais, para ampliar a sua capacidade de transporte de passageiros, com preço mais acessível, oferecendo uma alternativa real de transporte de qualidade.

O vice-prefeito Axel Grael, que coordenou a parte ambiental do projeto da TransOceânica, disse que esta terça-feira é um dia que será lembrado pelo resto da vida.

“Vamos lembrar que chegamos até aqui depois de muito esforço e trabalho de uma equipe grande de pessoas, de parcerias com os governos federal e estadual, todos unidos com o objetivo de proporcionar a Niterói uma alternativa de mobilidade sustentável, uma experiência inovadora, com o BHLS, que é uma concepção que se aplica perfeitamente à necessidade da Região Oceânica. A TransOceânica foi planejada para ser uma alternativa competitiva ao uso do automóvel. Ela só vai atingir seus objetivos se fizer com que as pessoas deixem os carros em casa e usem o transporte coletivo. É um projeto perfeito nesse sentido e tenho certeza que a vida dos cidadãos vai ser bem mais fácil e mais confortável a partir da conclusão dessa obra”, disse Grael.

Para a secretária municipal de Urbanismo e Mobilidade, Verena Adreatta, responsável pelo parte técnica do projeto, a via expressa será um marco na cidade de Niterói.

“A TransOceânica vai integrar duas áreas da cidade por um túnel, que era esperado há mais de 40 anos pela população. E é também uma obra de infraestrutura de transporte público, com o BHLS, que são ônibus que vão trafegar com regularidade, comodidade e com percursos bem determinados. Isso para a população vai se traduzir em economia de tempo no deslocamento de casa para o trabalho. Destaco também a intermodalidade com o catamarã de Charitas, que facilitará a vida dos usuários do transporte coletivo”, afirmou Verena.
Obra completa ficará pronta em 24 meses
A TransOceânica será uma via expressa de 9,3 quilômetros de extensão, e vai atender diretamente 11 bairros da Região Oceânica de Niterói. A previsão é de transportar cerca de 80 mil pessoas por dia. A primeira etapa é a construção do túnel. A obra completa ficará pronta em 24 meses.
A via contará com ônibus no sistema BHLS (Bus of High Level of Service), o primeiro implantado na América do Sul, equipados com ar-condicionado e com portas de ambos os lados. Pelo sistema, os passageiros poderão embarcar nos veículos em seus próprios bairros. Em seguida, os ônibus entrarão na faixa exclusiva do BHLS.

O ônibus fará o percurso do Engenho do Mato até Charitas em 25 minutos, passando por 13 estações e pelo túnel, que não terá cobrança de pedágio. O corredor viário também contará com ciclovia.
No projeto da TransOceânica está prevista, ainda, a integração da via com a estação hidroviária de Charitas, que será transformada em um terminal intermodal.

O investimento total da obra é de R$ 310.894.585,00, com recursos do governo federal e da Prefeitura de Niterói.