Visita ao CCO de Dijon e VLT de Lyon

20/04/2016 - 16:04

post

Prefeito conhece instalações de centro de controle operacional de trânsito similar ao que está sendo implantado em Niterói e assina termo de cooperação com empresa pública francesa


No segundo e terceiro dias da missão oficial da prefeitura de Niterói à França, o prefeito conheceu de perto o Centro de Operações de Trânsito e Mobilidade de Dijon, modelo similar ao que está sendo implantado na cidade fluminense.

Ao visitar as instalações, o chefe do Executivo municipal pôde conhecer detalhes do funcionamento do projeto, responsável pelo gerenciamento do sistema de transporte de toda a cidade de 250 mil habitantes em tempo real, permitindo, assim, que controladores façam alterações em toda a rede semafórica do município, dando mais fluidez ao trânsito e à mobilidade.

Responsável pelo Centro de Controle de Dijon, a empresa Engie é a mesma que venceu a licitação internacional para implantar, a partir de maio, o sistema em Niterói, com recursos do financiamento obtido junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

No Brasil, no entanto, o projeto apresentará novidades e será mais moderno. Em Niterói, serão 150 câmeras, com software de última geração capaz de promover automaticamente, sem interferência humana, as mudanças necessárias nos sinais de trânsito. O sistema será integrado ao Centro Integrado de Segurança Pública (CISP), vai gerenciar dez Centros de Tráfego por Área (CTAs) e terá a meta de reduzir em até 30% o tempo de deslocamento de trânsito graças ao ganho de eficiência dos sinais e da operação em tempo real.

De acordo com o prefeito, o novo CCO Mobilidade de Niterói, junto com o CISP, o e-Cidades e o programa Niterói Digital, integra o planejamento para fazer de Niterói um modelo de cidade sustentável e inteligente.

“Através da cooperação internacional e com agências de financiamento, tiramos importantes projetos do papel, como o CISP e a Transoceânica. O CCO Mobilidade de Niterói é mais uma iniciativa no sentido de melhorar a mobilidade e a circulação com sustentabilidade,  planejamento, e sistemas tecnológicos mais avançados. Tenho certeza de que isso contribuirá para a melhoria da mobilidade e da qualidade de vida dos niteroienses”, diz.

Em Lyon, o prefeito informou-se em detalhes sobre o VLT local, um dos primeiros da Europa. Os estudos para a sua implantação começaram em 1995 e, dois anos depois, o projeto foi aprovado. Em 2000, iniciou sua operação, com dez quilômetros de extensão, e foi sendo ampliado até atingir os atuais 60 quilômetros, integrando bairros da cidade de um milhão de habitantes e quase três milhões na região metropolitana. Atualmente, o VLT de Lyon transporta cerca de 300 mil passageiros por dia e responde por quase 20% do total de deslocamento de passageiros. O restante é dividido entre metrô, ônibus, automóveis e bicicletas.

“Fomos conhecer esta experiência, uma das mais bem-sucedidas implementadas também em países de diferentes regiões do mundo como Marrocos, Turquia e que começa a ser avaliada pelas cidades brasileiras”, explicou o prefeito.

Durante o encontro com o representante da prefeitura de Lyon, Robert Thevenot, que também representa o consórcio que gerencia o sistema de transportes da cidade, o prefeito firmou um acordo de cooperação entre as duas cidades. Thevenot explicou como se dará esse processo.

“Nosso conhecimento adquirido com a implementação do sistema de VLT de Lyon pode ser exportado para outras cidades e é isso que pretendemos fazer com esse acordo. A implantação do VLT em Lyon modificou profundamente a cidade em dois aspectos: a organização territorial dos bairros; e os hábitos dos cidadãos, para quem o novo sistema de transporte representou uma nova oferta de transporte com mais qualidade.”, disse.

Após as visitas, o prefeito ressaltou a importância dos investimentos em transporte público:

“Cidade moderna e sustentável não é aquela onde a classe menos favorecida anda de automóvel o tempo todo, mas aquela onde as classes média e alta também usam o transporte público porque ele tem qualidade, conforto e eficiência. Nos últimos dois anos, tiramos uma obra esperada há mais de 40 anos do papel: o túnel com o BHLS. No próximo período, nossa meta é viabilizar o primeiro VLT integrando bairros em cidades brasileiras. Temos uma intensa jornada de trabalho pela frente, mas, da mesma forma que o túnel saiu do papel, acredito que é possível viabilizar esse projeto, que tem tudo a ver com a nossa cidade e a população de Niterói.”

A secretária municipal de Urbanismo e Mobilidade Urbana, Verena Andreatta, citou a importância de implementação de novos tipos de transporte e ressaltou a necessidade de integração entre todos eles.

“A apresentação feita pelas autoridades de Lyon e Dijon sobre o VLT e o CCO mostrou a eficiência desses sistemas e desse  meio de transporte na estruturação do transporte coletivo de média capacidade e revelou as várias alternativas de integração e reorganização com outros meios (ônibus, barcas, metrô, bicicletas). Também foi relevante o aproveitamento de todas as linhas de ônibus em outras direções da cidade, expandindo atendimento a populações antes desatendidas.”, disse.

Verena destacou ainda a mudança no visual da cidade após a chegada do VLT:

“Por todas as ruas onde o VLT passa, ocorre uma reurbanização, melhorando fachadas, serviços, comércio e criando novas atividades